“Tu me amas?” Roteiro e reflexão 3º Domingo da Páscoa

136
Foto site do CEBI

Elaborado por Vasco Lagares – Diocese de Itabira/Cel. Fabriciano

 

Dia do Trabalhador e da Trabalhadora

01 de maio de 2022

Trazer elementos da comunidade que expressam a vida cotidiana dos trabalhadores e trabalhadoras

RITOS INICIAIS

  1. REFRÃO MEDITATIVO

Ó luz do senhor que vem sobre a terra

inunda meu ser permanece em nós.

  1. CANTO DE ENTRADA

O Senhor ressurgiu/ Aleluia, aleluia! É o Cordeiro Pascal/ Aleluia, aleluia!

Imolado por nós/ Aleluia, aleluia! É o Cristo Senhor, Ele vive e venceu aleluia!

1- O Cristo Senhor ressuscitou/ A nossa esperança realizou/

Vencida a morte par sempre/ Triunfa a vida eternamente.

2- O Cristo remiu a seus irmãos/ Ao Pai os conduziu por suas mãos/

No Espírito Santo unida esteja/ A família de Deus, que é a Igreja!

3- O Cristo, nossa Páscoa se imolou/ Seu sangue da morte nos livrou/

Incólumes o mar atravessamos/ E à terra prometida caminhamos!

 

  1. ACOLHIDA E SAUDAÇÃO
  2. Reunidos na presença do Ressuscitado, iniciemos este nosso encontro de irmãos: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Ass. Amém.
  3. A Graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a força do Espírito Santo estejam sempre convosco

Ass.Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

  1. RECORDAÇÃO DA VIDA

Neste domingo a comunidade se encontra com o Ressuscitado. Reafirmando sua fé e se colocando à disposição para o trabalho pelo Reino. Lembramos nosso compromisso com a causa e a defesa do trabalhador e da trabalhadora. Principalmente nestes tempos de desemprego, subemprego, empregos precários. Que nosso encontro com o Ressuscitado, na pessoa do trabalhador e da trabalhadora, nos aproxime mais do Reino de Deus.

  1. ATO PENITENCIAL

PR: O Senhor nos reúne e chama à conversão por meio de sua Palavra. Reconheçamo-nos pecadores e humildemente peçamos o perdão de nossas faltas (pausa). Supliquemos a misericórdia do Pai, cantando.

PR: Senhor, nossa paz, tende piedade de nós.

AS: Senhor, tende piedade de nós.

PR: Cristo, nossa Páscoa, tende piedade de nós.

AS: Cristo, tende piedade de nós.

PR: Senhor, nossa vida, tende piedade de nós.

AS: Senhor, tende piedade de nós.

PR: Deus todo poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.

Ass. Amém.

  1. GLÓRIA

Glória, glória, anjos nos céus cantam todo seu amor

E na terra homens de paz: (Deus merece o louvor.)

 

1) Deus é Pai, nós vos louvamos, adoramos, bendizemos,

Damos glória ao vosso nome, nossos dons agradecemos.

 

2) Senhor Nosso Jesus  Cristo,   unigênito do Pai.

Vós, de Deus Cordeiro  Santo  nossas culpas,   perdoai.

 

3.Vós que estais junto do Pai, como nosso intercessor

acolhei nossos pedidos, atendei nosso clamor!.

 

4 Vós somente sois o Santo, o Altíssimo Senhor,

O   Espírito  Divino     de Deus Pai o esplendor.

  1. ORAÇÃO DO DIA
  2. OREMOS: Ó Deus, que o vosso povo sempre exulte pela sua renovação espiritual, para que, tendo recuperado agora com alegria a condição de filhos de Deus, espere com plena confiança o dia da ressurreição. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Ass. Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

  1. PRIMEIRA LEITURA – At 5,27b-32.40b-41

Dos Atos dos Apóstolos

  1. SALMO – 29(30)

Refrão: Eu vos exalto, ó Senhor, porque vós me livrastes!

  1. SEGUNDA LEITURA– Ap 5,11-14

Do Apocalipse de São João

  1. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

Aleluia, Aleluia, Aleluia.

Jesus Cristo ressurgiu, por quem tudo foi criado; ele teve compaixão do gênero humano.

  1. EVANGELHO – Jo 21,1-19

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo a Comunidade de João

  1. HOMILIA

Esta pergunta que o Ressuscitado dirige a Pedro lembra a todos nós que a vitalidade da fé não é uma questão de compreensão intelectual, mas de amor a Jesus Cristo. É o amor que permite a Pedro entrar numa relação viva com o Cristo ressuscitado e o que nos pode introduzir também no mistério cristão. Aquele que não ama, dificilmente pode entender algo sobre a fé cristã.

Não podemos esquecer que o amor brota em nós quando começamos a abrir-nos a outra pessoa numa atitude de confiança e entrega que vai sempre mais além de razões, provas e demonstrações. De certa forma, amar é sempre aventurar-se no outro.

Assim sucede também na fé cristã. Tenho razões que me convidam a acreditar em Jesus Cristo. Mas, se o amo, não é, em última análise, por causa dos dados que os investigadores me oferecem, nem pelas explicações que me oferecem os teólogos, mas porque ele desperta em mim uma confiança radical na sua pessoa.

Mas há algo mais. Quando amamos realmente uma pessoa concreta, pensamos nela, procuramo-la, ouvimo-la, sentimo-nos próximas dela. De alguma forma, toda a nossa vida fica tocada e transformada por ela, pela sua vida e pelo seu mistério.

A fé cristã é uma experiência de amor. Por isso, acreditar em Jesus Cristo é muito mais do que aceitar verdades sobre Ele. Acreditamos verdadeiramente quando ele se vai convertendo no centro do nosso pensamento, do nosso amor e do nosso viver. Um teólogo tão insuspeito de frivolidades como Karl Rahner não hesita em afirmar que só podemos acreditar em Jesus Cristo se queremos amá-lo e temos a coragem de abraçá-lo.

Este amor a Jesus não reprime nem destrói o nosso amor pelas pessoas. Pelo contrário, é precisamente ele que pode dar-lhe a sua verdadeira profundidade, libertando-o da mediocridade e da mentira. Quando vivemos em comunhão com Cristo é mais fácil descobrir que isso a que chamamos de amor é muitas vezes nada mais do que o egoísmo sensato e calculista daqueles que sabem comportar-se habilmente, sem nunca se arriscar a amar com total generosidade.

A experiência do amor por Cristo pode dar-nos força para amar, mesmo sem esperar sempre algum ganho, ou para renunciar a pequenas vantagens para servir melhor a quem precisa de nós. Talvez algo realmente novo se produziria nas nossas vidas se fossemos capazes de ouvir com sinceridade a pergunta do Ressuscitado: “Tu me amas?”

José Antônio Pagola

Fonte: www.cebi.org.br

  1. PROFISSÃO DE FÉ
  2. Professemos a nossa fé. Creio…
  1. PRECES DA ASSEMBLÉIA

PR.: Apresentemos ao Cristo Ressuscitado nossas orações e peçamos que Ele se digne ouvi-las com bondade, dizendo: Cristo Ressuscitado, ouvi-nos, Senhor!

Ass. Cristo Ressuscitado, ouvi-nos, Senhor!

  1. Senhor, concedei que vossa Igreja possa viver a experiencia do encontro com o Ressuscitado, sendo testemunha do seu amor entre os povos, nós pedimos com fé:
  2. Pelas nossas comunidades, para que assumam com coragem o testemunho do Cristo Ressuscitado, superando o medo que aprisiona e afasta dos irmãos e irmãs, nós pedimos com fé:
  3. Senhor, vos pedimos por todos os trabalhadores, para que sejam valorizados e alcancem uma efetiva justiça social e que os desempregados encontrem um emprego justo e digno, nós pedimos com fé:
  4. Senhor, faz com que nossas pastorais, movimentos e serviços, sejam sinais de esperança junto aos que mais necessitam, acolhendo de modo especial as juventudes e o povo trabalhador, nós pedimos com fé.

Outras preces aos cuidados da Liturgia

 

  1. Senhor nosso Deus, ouvi as preces que Vos dirigimos com fé. Que possamos

cantar sempre vossa bondade e misericórdia com nossas vidas e obras. Por Cristo nosso Senhor.

Ass. Amém.

LOUVAÇÃO E AÇÃO DE GRAÇAS

  1. CANTO DAS OFERTAS

É o momento de fazer nossa oferta para manter as necessidades da comunidade, cantemos:

 

Eu creio num mundo novo

Pois Cristo ressuscitou

Eu vejo sua luz no povo

Por isso alegre sou

  1. Em toda pequena oferta

Na força da união

No pobre que se liberta

Eu vejo ressurreição

  1. Na mão que foi estendida

No dom da libertação

Nascendo uma nova vida

Eu vejo ressurreição

  1. Nas flores oferecidas e

Quando se dá perdão

Nas dores compadecidas

Eu vejo ressurreição

  1. Nos homens que estão unidos

Com outros partindo o pão

Nos fracos fortalecidos

Eu vejo ressurreição

  1. Na fé dos que estão sofrendo

No riso do meu irmão

Na hora em que está morrendo

Eu vejo ressurreição

  1. CONVITE À AÇÃO DE GRAÇAS
  2. Irmãos e irmãs, Jesus ressuscitado nos envolve com sua luz! N’Ele temos vida nova. D’Ele recebemos a graça de não mais trilharmos o caminho das trevas, mas

o da luz.

Enquanto se faz um canto, o Ministro da Eucaristia traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.

  1. O Senhor esteja com vocês.

Ass. Ele está no meio de nós!

  1. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.

Ass. É nosso dever e nossa salvação!

  1. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS:
  2. Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória de Jesus sobre a morte, escutando a sua Palavra e dando graças, na esperança de ver o novo céu e a nova

terra, onde não haverá mais fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do vosso amor.

Ass. A vós, Senhor, nossa honra, nosso louvor!

PR: Senhor, nós vos louvamos e cremos que o tempo da Páscoa é verdadeiramente o evento salvífico que fundamenta a nossa fé e nossa esperança. Para nós é um prazer bendizer-vos, ó Senhor, celebrar o vosso amor por Jesus Libertador!

AS: Bendito sejais, Cordeiro Imolado, Jesus Salvador!

PR: Nós vos damos graças, Senhor, porque neste dia nos possibilitou escutar vossa Santa Palavra. Pela escuta atenta encontramos o Ressuscitado que

se revela nos sinais da partilha do pão e da pesca milagrosa.

AS: Bendito sejais, Cordeiro Imolado, Jesus Salvador!

PR: Nós vos louvamos, Senhor, pela nossa humana história, que revela vossa glória, vosso poder redentor! Pois Jesus é nossa páscoa, o Cordeiro imolado, por quem fomos libertados para a vida que não passa!

AS: Bendito sejais, Cordeiro Imolado, Jesus Salvador!

PR: Louvor a vós, Senhor, que reanima e fortalece a caminhada dos discípulos por sua Palavra! Jesus prepara e faz com os apóstolos a partilha do pão e do peixe. Este sinal revela a presença de Deus amoroso e fiel que não abandona seu povo.

AS: Bendito sejais, Cordeiro Imolado, Jesus Salvador!

PR: A comunidade reunida sob o mandato de Jesus, é capaz de reunir todos em torno de si. Alegremo-nos! O Ressuscitado hoje nos congrega como comunidade e nos oferece um amor incondicional. Ele mesmo nos convida a viver a partilha e solidariedade com os irmãos e irmãs.

AS: Bendito sejais, Cordeiro Imolado, Jesus Salvador!

  1. Antes de participar do banquete da Eucaristia, sinal de reconciliação e vínculo de união fraterna, rezemos, juntos, como o Senhor nos ensinou:

Ass. Pai nosso…,

 

  1. RITO DA COMUNHÃO
  2. Irmãos e irmãs, participemos da comunhão do Corpo do Senhor em profunda unidade com nossos irmãos que, neste dia, tomam parte da Celebração Eucarística, memorial vivo da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. O Corpo de Cristo será nosso alimento.
  3. Felizes os convidados para a Ceia do Senhor. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

Ass:  Senhor, eu não sou digno …

 

  1. CANTO DE COMUNHÃO

Cristo, nossa Páscoa, foi imolado,

aleluia! Glória a Cristo, Rei, ressuscitado, aleluia!

  1. Páscoa sagrada! Ó festa de luz!

Precisas despertar: Cristo vai te iluminar!

  1. Páscoa sagrada! Ó festa universal! No

mundo renovado é Jesus glorificado!

  1. Páscoa sagrada! Vitória sem igual! A

cruz foi exaltada, foi a morte derrotada!

  1. Páscoa sagrada! Ó noite batismal! De

tuas águas puras nascem novas

criaturas!

  1. Páscoa sagrada! Banquete do Senhor!

Feliz a quem é dado ser às núpcias

convidado!

  1. Páscoa sagrada! Cantemos ao Senhor!

Vivamos a alegria, conquistada em meio

à dor!

  1. ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
  2. Ó Deus, olhai com bondade o vosso povo e concedei aos que renovastes pelos vossos sacramentos a graça de chegar um dia à glória da ressurreição da carne. Por Cristo, nosso Senhor.

Ass. Amém

RITOS FINAIS

  1. AVISOS
  2. BENÇÃO FINAL

PR: O Senhor esteja convosco.

Ass.Ele está no meio de nós.

PR: Aquele que Ressuscitou dos mortos e nos fez partícipes de sua Ressurreição nos mostre o caminho da missão e da paz. Abençoe-nos e guarde-nos o Senhor Todo-Poderoso e cheio de misericórdia: Pai e Filho e Espírito Santo.

Ass. Amém!

PR: Anunciando o amor do Cristo ressuscitado, ide em paz e o Senhor vos acompanhe.

Ass. Graças a Deus.

  1. CANTO FINAL

Novo sol brilhou, a vida superou sofrimento, dor e morte tudo enfim.

Nosso olhar se abriu Deus mesmo se incumbiu, de tomar-nos pela mão assim.

O Deus de amor, jamais se descuidou

Em seu vigor, Jesus ressuscitou.

Estender a mão, abrir o coração, acolher, compartilhar e perdoar.

É fazer o céu, cumprir o seu papel, já na terra tem que vigorar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui