O Mestre Interior – 16º Domingo comum

50

Elaborado por Vasco Lagares – Diocese de Itabira/Cel. Fabriciano

 

RITOS INICIAIS

  1. REFRÃO MEDITATIVO

Onde reina o amor, fraterno amor

Onde reina o amor, Deus  ai   esta.

  1. CANTO DE ENTRADA
  2. Ó Senhor, nós estamos aqui, junto à mesa da celebração, simplesmente atraídos por vós, desejamos formar comunhão!

Ref.: Igualdade, fraternidade, nesta mesa nos ensinais. /:As lições que melhor educam, na eucaristia é que nos dais!:/

  1. Todos cantam o vosso louvor, pois em vós todos somos irmãos. Ouviremos com fé, ó Senhor, os apelos de libertação.
  2. Este encontro convosco Senhor, incentiva a justiça e a paz, nos inquieta e convida a sentir os apelos que o pobre nos faz.
  3. Acolheis com o vosso perdão, todo homem disposto a crescer; ao redor desta mesa, Senhor, a unidade podemos viver!

 

  1. ACOLHIDA E SAUDAÇÃO
  2. Irmãos e irmãs, o Cristo nos reúne em seu amor e nos congrega como povo. Iniciemos em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Ass. Amém.
  3. O Deus da esperança, que nos cumula de toda alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco.

Ass. Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

  1. RECORDAÇÃO DA VIDA

A Liturgia nos mostra como os filhos e filhas de Deus são chamados a viver a hospitalidade, a contemplação e o serviço aos irmãos e irmãs. Vivemos tempos difíceis de intolerância e individualismo, onde a escuta e a convivência fraterna são a cada dia testados. As pastorais sociais de nossa Igreja, com os demais serviços e ministérios são a ação direta da igreja neste caminho.

  1. ATO PENITENCIAL

PR: De coração contrito e humilhado, reconheçamo-nos necessitados da misericórdia de Deus e imploremos seu perdão

PR: Confessemos os nossos pecados.

PR: Tende compaixão de nós, Senhor.

AS: Porque somos pecadores.

PR: Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia

AS: E dai-nos a vossa salvação.

PR: Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.

PR: Senhor, tende piedade de nós.

Ass. Senhor, tende piedade de nós.

PR: Cristo, tende piedade de nós.

Ass. Cristo, tende piedade de nós.

PR: Senhor, tende piedade de nós.

Ass. Senhor, tende piedade de nós

  1. GLÓRIA

1-Glória a Deus nos altos céus!

Paz na terra seus amados.

A vós louvam, Rei celeste,

os que foram libertados!

Glória a Deus, lá nos céus,

E paz aos seus amém

2- Deus e pai, nós vos louvamos,

adoramos, bendizemos.

Damos glória ao vosso nome,

vossos dons agradecemos.

 

3- Senhor nosso Jesus Cristo,

Unigênito do Pai,

Vós, de Deus Cordeiro e Santo,

Nossas culpas perdoai.

 

4- Vós, que estais junto do Pai,

como nosso intercessor,

Acolhei nossos pedidos,

atendei nosso clamor.

 

5- Vós somente sois o Santo,

O Altíssimo . o Senhor,

Com o Espírito Divino,

de Deus Pai no esplendor!

  1. ORAÇÃO DO DIA
  2. OREMOS: Ó Deus, sede generoso para com os vossos filhos e filhas e multiplicai em nós os dons da vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fielmente os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus

Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Ass. Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

  1. PRIMEIRA LEITURA – Gn 18,1-10a

Do Livro do Gênesis

  1. SALMO – 14(15)

Refrão: Senhor, quem morará em vossa casa?

  1. SEGUNDA LEITURA– Cl 1,24-28

Da  Carta de São Paulo aos Colossenses

  1. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

Aleluia, Aleluia, Aleluia.

Felizes os que observam a palavra do Senhor, de reto coração, e que produzem muitos frutos, até o fim perseverantes!

  1. EVANGELHO – Lc 10,25-37

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo a Comunidade de Lucas

  1. HOMILIA

Enquanto a hierarquia católica insiste na necessidade do magistério eclesiástico para instruir e guiar os fiéis, importantes setores de cristãos orientam hoje em dia suas vidas sem ter em conta as suas diretrizes. Onde é que este fenômeno nos pode conduzir? A questão inquieta cada vez mais.

Alguns teólogos acreditam ser necessário recuperar a consciência do «magistério interior», tão esquecido entre os cristãos. Diz-se isto: de pouco serve insistir no magistério hierárquico se os crentes – hierarquia e fiéis – não ouvirmos a voz de Cristo, o Mestre interior que continua a instruir através do seu Espírito aqueles que realmente o querem seguir.

A ideia de Cristo «Mestre interior» começa do próprio Jesus: «Não chameis a ninguém mestre, pois um é o vosso Mestre: Cristo» (Mateus 23,10). Mas foi sobretudo Santo Agostinho que o introduziu na teologia, reivindicando fortemente a sua importância: «Temos um só Mestre. E sob ele somos todos condiscípulos. Não nos tornamos professores pelo fato de vos falar a partir de um púlpito. O verdadeiro Mestre fala de dentro».

A teologia contemporânea insiste nesta verdade demasiado esquecida por todos, hierarquia e fiéis: as palavras que se pronunciam na Igreja servem apenas como um convite para que cada crente escute dentro de si a voz de Cristo. Isto é o decisivo. Só quando se aprende com o próprio Cristo se produz algo novo na vida de crente.

Isto traz consigo várias exigências. Em primeiro lugar para aqueles que falam com autoridade dentro da Igreja. Não são os donos da fé ou da moral cristã. A sua missão não é processar e condenar pessoas. Ainda menos atirar fardos pesados e insuportáveis aos outros. Não são mestres de ninguém. São discípulos que devem viver aprendendo de Cristo. Só então poderão ajudar outros a «deixarem-se ensinar» por ele.

É assim que Santo Agostinho interpela os pregadores: «Por que gostas tanto de falar e tão pouco de ouvir? O que verdadeiramente ensina está dentro; por outro lado, quando tentas ensinar sais de ti mesmo e andas por fora. Ouve primeiro o que fala por dentro e desde dentro fala depois aos de fora».

Por outro lado, todos devemos lembrar que o importante, ao ouvir a palavra do magistério, é sentirmo-nos convidados a voltar-nos para dentro para ouvir a voz do único Mestre. Santo Agostinho também nos lembra: «Não andes por fora. Não te espalhes. Mergulha na tua intimidade. A verdade reside no homem interior». É instrutiva a cena em que Jesus elogia a atitude de Maria, que, «sentada aos pés do Senhor, escuta a sua palavra». As palavras de Jesus são claras: «Só uma coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte».

José Antonio Pagola

Tradução de Antonio Manuel Álvarez Perez

Fonte: www.cebi.org.br

  1. PROFISSÃO DE FÉ
  2. Professemos a nossa fé.

Creio em um só Deus, Pai todo poderoso, criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por ele todas as coisas foram feitas. E por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos céus: e se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras e subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos; e o seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida e procede do Pai e do Filho e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado: ele que falou pelos profetas. Creio na Igreja, una, santa, católica e apostólica. Professo um só batismo para remissão dos pecados. E espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há de vir. Amém.

  1. PRECES DA ASSEMBLEIA

PR.: Irmãos e irmãs, celebrando a memória de colunas tão importantes para nós, Pedro e Paulo, elevemos nossas orações. Após cada invocação vamos responder:

Ass. Senhor escutai a nossa prece!

  1. Pedimos pelas nossas comunidades, pastorais, movimentos e serviços, que se dediquem ao cuidado com os mais necessitados com zelo e devoção, pedimos com fé.
  2. Faça com que a Igreja continue como guardiã dos ensinamentos da hospitalidade, contemplação e o serviço aos irmãos e irmãs, como nos ensinou O Cristo, pedimos com fé.
  3. Multiplicai as ações de solidariedade para com os mais necessitados, e assim, possamos transformar esta sociedade de intolerância para uma sociedade de compromisso e partilha, pedimos com fé.
  4. Inspirai em nossa juventude, atitudes de contemplação e vivencia da Palavra de Deus, pedimos com fé.

 

  1. Tudo isto vos pedimos ó Pai, fonte de todo bem, por Cristo nosso Senhor.

Ass. Amém.

LOUVAÇÃO E AÇÃO DE GRAÇAS

  1. CANTO DAS OFERTAS

É o momento de fazer nossa oferta para manter as necessidades da comunidade, cantemos:

1- A mesa santa que preparamos,

mãos que se elevam a ti ó Senhor.

O pão e o vinho, frutos da terra,

duro trabalho, carinho e amor.

 

Ô ô ô, recebe Senhor, ô   ô, recebe Senhor!(2x)

 

2-Flores, espinhos, dor e alegria,

pais mães e filhos diante do altar.

A nossa oferta em nova festa,

a nossa dor vem Senhor transformar!

 

3- A vida nova, nova família,

que celebramos aqui tem lugar.

Tua bondade vem com fartura

é só saber reunir, partilhar

  1. CONVITE À AÇÃO DE GRAÇAS
  2. Irmãos e irmãs, tendo celebrado vossa Palavra de vida, oferecemos, agora, nossa fidelidade a vossa Palavra, nossa dedicação ao vosso serviço. Jesus aparece sempre a caminho. Louvemos o Senhor que escuta a oração dos empobrecidos e liberta os oprimidos. Acolhamos o Cristo em nosso meio.

Enquanto se faz um canto, o Ministro da Eucaristia traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.

  1. O Senhor esteja com vocês.

Ass. Ele está no meio de nós!

  1. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.

Ass. É nosso dever e nossa salvação!

 

  1. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS:
  2. Nós vos damos graças, ó Pai, por toda a vossa criação e por tudo o que fizestes no meio de nós, por meio de Jesus Cristo, vosso Filho e nosso irmão, que nos destes como imagem viva do vosso amor e de vossa bondade.

Ass. Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor!

  1. Envie sobre nós, aqui reunidos, o vosso Espírito e dai a esta terra que nos sustenta uma nova face. Que haja paz em nossas famílias e cresça em nossa comunidade a alegria de sermos vossos por Cristo, nosso Senhor.

Ass. Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor!

  1. Pela Palavra do Evangelho de vosso Filho, fazei que as Igrejas do mundo inteiro caminhem na unidade com o Papa Francisco e sejam sinais da presença do Cristo ressuscitado. Tornai esta comunidade cada vez mais sinal de vossa bondade e unida na caminhada com a Diocese sob a orientação do nosso Bispo ….

Ass. Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor!

  1. Ó Deus, criador do céu e da terra, os nossos louvores e as nossas preces cheguem a vós pelas mãos daquele que é nosso único mediador, Jesus Cristo, nosso Senhor.

Ass. Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor!

  1. Antes de participar do banquete da Eucaristia, sinal de reconciliação e vínculo de união fraterna, rezemos, juntos, como o Senhor nos ensinou:

Ass. Pai nosso…,

  1. RITO DA COMUNHÃO
  2. Irmãos e irmãs, participemos da comunhão do Corpo do Senhor em profunda unidade com nossos irmãos que, neste dia, tomam parte da Celebração Eucarística, memorial vivo da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. O Corpo de Cristo será nosso alimento.
  3. Felizes os convidados para a Ceia do Senhor. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

Ass.  Senhor, eu não sou digno …

  1. CANTO DE COMUNHÃO

1)Vejam, eu andei pelas vilas,

apontei as saídas,

Como o Pai me pediu,

Portas, eu cheguei para abrí-las

Eu curei as feridas como nunca se viu

 

Por onde formos também nós,

Que brilhe a tua luz

Fala Senhor a nossa voz,

em nossa vida

Nosso caminho então conduz,

queremos ser assim

Que o Pão da Vida nos revigore

no nosso Sim!

 

2) Vejam, fiz de novo a leitura,

das raízes da vida

Que meu Pai vê melhor.

Luzes, acendi com brandura,

para ovelha perdida

Não medi meu suor.

 

3) Vejam, procurei bem aqueles,

que ninguém procurava

E falei de meu Pai.

Pobres , a esperança que é deles,

eu não quis ser escravo

De um poder que retrai.

 

4) Vejam, semeei consciência,

nos caminhos do povo

Pois o Pai quer assim

Tramas, enfrentei prepotência,

dos que temem o novo

Qual perigo sem fim.

 

  1. ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
  2. Ó Deus, permanecei junto ao povo que iniciastes nos sacramentos do vosso reino, para que, despojando-nos do velho homem, passemos a uma vida nova. Por

Cristo, nosso Senhor. Ass. Amém

RITOS FINAIS

  1. AVISOS
  2. BENÇÃO FINAL

PR: O Senhor esteja convosco.

Ass. Ele está no meio de nós.

PR: Abençoe-nos e guarde-nos o Senhor Todo Poderoso e que nos acolhe em sua misericórdia: Pai e Filho e Espírito Santo.

Ass. Amém!

  1. CANTO FINAL
  2. Senhor, fazei-me um instrumento de vossa paz. Onde houver ódio que eu leve o amor, onde houver ofensa que eu leve o perdão. Onde houver discórdia que eu leve a união, onde houver dúvida que eu leve a fé. Onde houver erro que eu leve a verdade, onde houver desespero que eu leve a esperança. Onde houver tristeza que eu leve a alegria, onde houver trevas que eu leve a luz.
  3. Ó Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado, compreender que ser compreendido, amar que ser amado. Pois é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna. (bis)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui