No ano do Centenário da Arquidiocese de Belo Horizonte, o marco celebrativo dos 50 anos do Mês da Bíblia

145

Que a tua Palavra, Senhor, encarnada em Jesus Cristo, seja lâmpada para a nossa ação evangelizadora e luz no discernimento dos caminhos a seguir…

No Jubileu de Ouro da fundação da Arquidiocese de Belo Horizonte (1921-1971), há 50 anos atrás, dom João Resende Costa (1910-2007) promoveu uma consulta às pastorais, comunidades religiosas, paróquias sobre sugestões para bem celebrar, de forma pastoral, o significativo marco simbólico.

As Irmãs Paulinas, que já vinham desenvolvendo no Brasil um trabalho de evangelização centrado na Palavra de Deus (semanas e missões bíblicas), apresentaram uma proposta a dom João Resende Costa e ao Conselho Presbiteral, que foi acolhida imediatamente. Nas palavras de Ir. Neli Manfio, fsp,

a proposta de realizarmos um vasto e profundo movimento bíblico durante o mês de setembro, que atingisse todos os segmentos da Arquidiocese: paróquias, colégios, escolas, hospitais, penitenciárias, meios de comunicação etc.

BATISTA; SILVANO, 2021, p. 71

As Irmãs Paulinas, ir. Eugênia Pandolfo e ir. Neli Manfio, já na proposta inicial afirmavam que assumiriam esta tarefa, mas com o apoio e a ajuda de algum membro da Igreja local. Assim, em junho de 1971, “o Conselho Presbiteral decidiu que o pe. Antônio Gonçalves (1933-2014) e o pe. Paulo Lopes de Faria (1931-2009) comporiam com as Irmãs Paulinas a Equipe de Coordenação do Mês da Bíblia” (BATISTA; SILVANO, 2021, p. 71).

Já na primeira reunião a Equipe de Coordenação do Mês da Bíblia definiu como objetivos:

a) infundir no povo a convicção que a Bíblia, Palavra de Deus, é por excelência o livro que deve ser inserido na vida de cada um;

b) fazer com que as famílias sintam a necessidade de ter em casa a Bíblia e transformá-la em livro de cabeceira;

c) por ocasião do Mês da Bíblia, constituir na Arquidiocese de Belo Horizonte um Centro Bíblico.

BATISTA; SILVANO, 2021, p. 71-72

Para se alcançar tais objetivos, buscou-se envolver os meios de comunicação social disponíveis na época: rádio, jornal e TV. Além disso, impulsionou-se, por meio de reuniões, um amplo processo participativo e corresponsável, com várias comissões – de comunicação e publicidade, de estudos bíblicos, de exposição bíblica, de grupos de oração, de grupos de jovens, de liturgia etc. – e equipes de leigos e leigas, engajados nas diversas pastorais, envolvendo de forma estratégica as grandes estruturas com presença eclesial: paróquias, colégios, hospitais, presídios etc.

O mês de setembro foi escolhido porque “desde 1947 já se celebrava em todo o Brasil, no último domingo, o Dia da Bíblia, na proximidade da festa de São Jerônimo, no dia 30 de setembro. O lema escolhido para o primeiro Mês da Bíblia foi tirado do refrão da música “Jesus Cristo”, de Roberto Carlos, que fazia grande sucesso na época: “Jesus Cristo, eu estou aqui”.

O resultado foi surpreendente cursos de formação para animadores oriundos das 113 paróquias da Arquidiocese, milhares de famílias adquiriram a Bíblia, nasceu um programa de TV centrando no comentário do Evangelho do domingo e a verdadeira proliferação de mais de setecentos pequenos grupos de leitura, oração e reflexão, os chamados Círculos Bíblicos que contaram com a preciosa colaboração do Frei Carlos Mesters.

Foram realizadas muitas e diversificadas atividades envolvendo a Bíblia. Em todas elas, uma mensagem de fundo: que uma das formas privilegiadas de se experimentar a proximidade amorosa de Deus se concretiza através da luz irradiada da leitura e do estudo da Palavra de Deus. Como diz o Salmo 119, 105: “A Tua Palavra é lâmpada para os meus pés e luz para o meu caminho!

A experiência foi tão rica e frutuosa que, no final do mês, surgiu um grande apelo: que a celebração do “Mês da Bíblia” fosse assumida oficialmente na caminhada da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Para maiores informações…

Recomendamos a leitura do maravilhoso estudo que está consignado no livro que foi lançado este mês pelas Edições Paulinas:

BATISTA, Edinaldo Medina; SILVANO, Zuleica, fsp. 50 anos 1971-2021 Mês da Bíblia: memórias, desafios e perspectivas. São Paulo: Paulinas, 2021.

O Observatório da Evangelização publicará uma série de entrevistas sobre a caminhada dos 50 anos do Mês da Bíblia, aguarde.

Edward Guimarães

Secretário Executivo do Observatório da Evangelização

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui