CEBs de Itabira/Cel Fabriano: “Por uma Igreja com rosto Amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana”

382

Pela Equipe de Animação : Angela Vilela

Nós da Equipe de Animação das CEBs do Regional 3 – Diocese de Itabira/Coronel-Fabriciano  realizamos o nosso primeiro encontro desse ano em uma Casa onde todos nós fomos carinhosamente acolhidas/os. Abrimos a roda na rua rodeados de muito verde celebrando o Oficio Divino dedicado às Santas Mulheres. Oramos e  cantamos  a ciranda da Vida: “Essa ciranda não é minha não, ela é de todas nós, ela é de todos nós”.

Seguimos  recordando  que o  dia 14 de Março faz dois anos do martírio de Marielle Franco e também os 19 anos da   Jornada Nacional de Lutas contra as Barragens! Pelas Águas , pelos Rios e pela Vida, organizada pelo Movimento dos Atingidos pelas Barragens – MAB. Refletimos nesse encontro o Tema: Pacto das Catacumbas pela Casa Comum – Por uma Igreja com rosto Amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana. Compartilhamos na roda de conversa os 15 desafios e clamores construídos pelos participantes do Sínodo da Amazônia em outubro de 2019/Roma. Relembrando o Pacto assinado em 1965 nas Catacumbas de Santa Domitila Roma, ao término do Concilio Vaticano II onde foi firmado o pacto da opção pelos pobres. Assimilados na época pelas Comunidades Eclesiais de Base.

Vimos que é urgente recuperar a Igreja que reúne os preferidos do mestre Jesus, denominada pelo Papa Francisco, uma Igreja em Saída, em busca dos excluídos, tanto da Igreja Institucional quanto do sistema econômico consumista e predatório. Na diversidade da Casa Comum ressaltamos a importância do cuidado da Amazônia e também os impactos do rompimento das barragens nas cidades de Minas causados pela criminosa empresa Vale. Debatemos especificamente em nossa região as empresas produtoras de poluição atmosféricas e seus riscos a saúde e vida da população. Desse modo,fechamos a roda de conversa assinando com nossas digitais o pacto por uma Igreja Sinodal na qual acreditamos e seguimos. E ainda, nós Mulheres fomos agraciadas com uma Poesia do Companheiro Algemiro. Somos as guardiãs da Casa Comum. Foi uma manhã de muitos saberes e sabores.

Referência Material :Espiritualidades na Cidade. Por uma dimensão libertadora.33° Curso de Verão.

POESIA: Mulher, Mulher

Mulher menina, muher que ensina

Mulher que luta, que enluta

Cede seu corpo para gerar vida

Mulher carinho, ternura e abrigo

a mais bela das criaturas

Tímida ou assanhada sempre ousada

Mulher que tece e que fia,

que cuida da casa dia a dia.

Reza, sofre, espera se irrita.

Mas não deixa de ser mulher.

Dia da Mulher é todo dia,

mas rem um especial, que seja este em que

inúmeras MULHERES morreram

na luta pela redução da jornada do trabalho.

Parabéns Mulher, Parabéns Mulher!

Algemiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui