Campanha da Fraternidade 2020

501
Magda Melo-Assessora das CEBs/MG

O tema escolhido para a CF 2020 é Fraternidade e vida: dom e compromisso. E o lema, “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele”. Significa que, somos todos convidados a uma conversão pessoal e comunitária diante das pessoas que, pelos mais variados motivos, experimentam condições precárias de vida.

Na Campanha da Fraternidade (CF) 2020, somos convidados a olhar com mais atenção para a vida.

Constata-se que a vida das pessoas chegou a um ponto que esbarra em uma série de angustiantes indagações.

O que aconteceu conosco?
Por que vemos crescer tantas formas de violência, agressividade e destruição?
Perdemos, de fato, o valor da fraternidade?
 
Em meio a tantas questões, a CF 2020 convoca à reflexão sobre o significado mais profundo da vida e a encontrar caminhos para que esse sentido seja fortalecido ou reencontrado. É por isso que a CF 2020 proclama: a vida é Dom e Compromisso! Seu sentido consiste em ver, solidarizar-se e cuidar. Significa não passar cego às dores das pessoas.
Para olhar a vida e nela reforçar ou reencontrar o sentido, a Campanha da Fraternidade 2020 indica como referência a Parábola do Bom Samaritano (Lc 10, 25-37). Nesta narrativa, Jesus apresenta um olhar indiferente à vida – que vê o sofrimento, mas passa adiante (sacerdote e levita); e outro que enxerga, permanece e se compromete com aquele que sofre (o olhar samaritano). Não é sentir dó diante da dor alheia, mas, com o sentimento da ternura, reconhecer a dignidade do ferido. Esta atitude é que resgata a imagem e semelhança divina no rosto de homens e mulheres desfigurados pelo pecado (Gn 1,26). É o sagrado olhar de Jesus que, do alto do madeiro, enxergou, perdoou todos os pecados e nos salvou por sua misericórdia (Lc 23,34).
                   Temos ainda A BACIA DE PILATOS OU A DE JESUS: qual você escolhe? A conversão provocada pelo anúncio da Boa Nova nos faz escolher a bacia de Jesus e não a de Pilatos. A bacia de Pilatos, ele a usou para lavar as mãos, ou seja, tornar-se indiferente à dor do outro. Jesus tornou sua bacia instrumento para lavar os pés dos discípulos, sinal de cuidado e compromisso com o serviço para com o próximo.
      A PARTIR DA UNIÃO DAS FAMÍLIAS O OLHAR SAMARITANO que se faz realidade nas famílias cristãs que se unem em pequenas comunidades missionárias, oásis da justiça envolvida pelo carinho misericordioso. Inseridas num mundo onde ninguém tem tempo para ninguém, pequenas comunidades missionárias devem ser o lugar da afetividade e do abraço, do encontro fraterno em torno da Palavra e da Eucaristia.
Como o BOM SAMARITANO é preciso COMPAIXÃO E CUIDADO COM A VIDA, Ser capaz de sentir compaixão é a chave da obediência à vontade de Deus, que ama toda a criação: Servir!
Ver! Sentir, ter compaixão e cuidar é o autêntico Programa Quaresmal.
Ver (Lucas 10, 33-34), Na Parábola do Bom Samaritano, Jesus apresenta duas formas de olhar: uma que é indiferente: vê, mas passa adiante (sacerdote e levita); e outra que vê, permanece, envolve e se compromete (samaritano). Somente contemplando o mundo com os olhos de Deus (o olhar samaritano), é possível perceber e acolher o grito que emerge das várias faces da pobreza e da agonia da criação (DGAE 2019/2023 n. 102).
O olhar que vê e segue representa toda indiferença e desprezo pela vida do outro. Não se engane: mesmo os que estão próximos ou atuantes na Igreja, muitas vezes, podem ter o olhar maldoso, viciado e cansado.
Devemos ter cuidado com O OLHAR DA INDIFERENÇA QUE GERA AMEAÇAS À VIDA,
O aborto é realidade que ameaça a vida desde o ventre materno. Da mesma forma, o desprezo pela vida se manifesta por meio de projetos que querem regularizar a eutanásia e o suicídio assistido, garantindo o que chamam de direito de antecipação da morte. Também temos que citar a realidade de milhares de crianças órfãs que perderam suas famílias, sobretudo em tempos de violência e migração forçada. Outros cenários que agridem a vida humana no Brasil são estes: 1- Desemprego, 2- Desolação, 3- Miséria, 4- Ansiedade, 5 – Suicídio, 6 – Violência no Trânsito: 7 – Feminicídio, 8- Disputa pela água, dentre outras.
O OLHAR QUE DESTRÓI A NATUREZA
O OLHAR DA INDIFERENÇA que EXCLUI A VIDA
O OLHAR DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

2ª. PARTE: – SENTIU COMPAIXÃO (LUCAS 10,33-34)

Compaixão de Jesus, romper com a indiferença: Se, por um lado, o olhar da indiferença gera tanto mal, o olhar da compaixão pode fecundar o bem no coração humano e conferir verdadeiro sentido à vida. Não se trata apenas de um olhar de dó, mas de um olhar samaritano que reconhece a dignidade da pessoa e procura resgatar a imagem e semelhança no rosto de homens e mulheres desfigurados pelo pecado (Gênesis 1,26). É o olhar divino manifestado em Jesus.
Os discípulos e amigos do Ressuscitado estão a serviço da vida

A Páscoa nos ensina a, por, com e em Cristo, romper os túmulos da indiferença e do ódio e ressurgir para o zelo, o cuidado e a solidariedade. Com o olhar de Cristo (olhar samaritano), penetramos nas entranhas do sofrimento do próximo. Por isso, sentir a dor do outro é muito mais do que ter dó. Significa comprometer-se com o sofredor, sem medo de aproximar-se e identificar-se com o próprio amor de Deus para conosco (João 13,34). O que Cristo nos ensina é fazermo-nos próximos sem preconceitos, sem classificação, sem esperar nada em troca. Gratuitamente amar como Cristo nos amou (Filipenses 2,5).

Compaixão é ter mais coração nas mãos

Quem ama não julga, não acusa, não divide. Quem ama cuida, acolhe e integra. Quem ama dialoga, suporta e se compadece. Ao contrário, o egoísta e prepotente, com olhos só para si, julga o mundo a partir da sua prepotência, esquecendo-se de que seu olhar está embaçado pelo pecado e o coração entupido pela maldade. Diante da maldade, apesar dos problemas que temos, nossas mãos não podem ser fechadas para socar, mas têm que, abertas, apoiar (Mateus 8,20).

A CF 2020, ao tratar da vida como Dom e Compromisso, nos convida a uma conversão pessoal, comunitária, social e conceitual em relação à justiça que nutrimos. A missão do discípulo missionário de Jesus Cristo é revelar ao mundo o rosto da misericórdia. Valorizar a vida e promover a justiça misericordiosa é um ato de fé.

ECOLOGIA INTEGRAL

A mesma ternura necessária na relação dos cristãos com as pessoas deve existir deles também para com a natureza. A ecologia integral, pois, não visa somente preservar o meio ambiente e nem tampouco o bem estar das pessoas isoladas da natureza. A ecologia integral insere o ser humano na natureza e esta no mundo social dos humanos, despertando a consciência de que afetar um é também ferir o outro.

Este é o grande desafio da humanidade: ser mais solidários como irmãos e irmãs onde todos, fraternalmente, assumem a responsabilidade compartilhada pela Casa Comum.

3ª PARTE: “E CUIDOU DELE”

Viu, sentiu compaixão, e cuidou dele (Lucas 10,33-34) CUIDAR DE JESUS: disposição em servir

O ser humano, que recebe o carinho divino e que é chamado ao cultivo da criação, é também convocado a cuidar com divino carinho da vida em todas as suas formas e expressões (Salmo 8,4s). A pessoa que recebe verdadeiramente o carinho divino sente que somos todos irmãos, independente da etnia, posição social ou nacionalidade.

A VIDA CRISTÃ É ESSENCIALMENTE SAMARITANA Temos que ter consciência que a vida é essencialmente samaritana: traz no seu sentido mais radical o cuidado pelo outro. Agir como bom samaritano supõe um novo aprendizado obtido pela conversão provocada por Jesus e sua Boa Nova. Só em e por Jesus Cristo aprendemos a cuidar e sermos cuidados. É a conversão que nos faz escolher a bacia de Jesus e não a de Pilatos. A bacia diante de Pilatos, ele a usou para lavar as mãos, ou seja, tornar-se indiferente à dor do outro. A bacia diante de Jesus, ele a usou para lavar os pés dos discípulos, sinal de cuidado e compromisso com o serviço. Redescobrindo as águas do batismo nas águas da bacia do lava- pés, todos os discípulos missionários – a Igreja toda – se colocam em saída para servir àqueles que necessitam da sua ação generosa, envolvida pela ternura, sempre amparada na justiça misericordiosa. Não podemos dizer que amamos a Deus se não vemos o outro que sofre. (1 João 4,19-20).

UM COMPROMISSO COM A VIDA, o amor às pessoas favorece o encontro da plenitude com Deus. Fechar os olhos diante do próximo nos torna cegos também diante de Deus. Por isso, o missionário só anuncia a Boa Nova se procura fazer o bem ao próximo, desejando a felicidade de todos: há mais felicidade em dar do que em receber (Atos dos Apóstolos 20,35);

UM COMPROMISSO PESSOAL As mudanças que queremos para o mundo só serão reais se começarem em nós, a partir de nós, afetando positivamente o ambiente em que vivemos. Podemos sentir esta ação como algo difícil, às vezes até cansativa.

Santa Tereza de Calcutá nos indica o sentido e efeito do compromisso pessoal de cada cristão: “Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no oceano. Mas o oceano seria menor se lhe faltasse uma gota”. Um pequeno gesto é capaz de fazer diferença em uma existência toda. Quando tais gestos nascem do coração configurado ao coração do Senhor da Vida, tornam-se capazes de conferir sentido e plenitude à existência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui